quarta-feira, 15 de junho de 2011

RESUMO DOS JORNAIS 15/06/2011

O Globo

Manchete: Força Nacional não evita mais uma morte no Pará

Conflitos no campo motivaram quinto assassinato em menos de um mês

Mais um trabalhador foi assassinado no Pará, na quinta morte em três semanas na Amazônia - uma onda de violência que nem a presença da Força Nacional de Segurança conseguiu conter. Morador do Acampamento Esperança, em Pacajá, Obede Souza, de 31 anos, foi morto com um tiro no ouvido. O crime estaria ligado a conflitos por terra, mas a motivação exata ainda não está clara. A Polícia Civil suspeita de disputas entre acampados. A Comissão Pastoral da Terra, porém, sustenta que Obede Souza teve desavenças recentes com madeireiros por causa da extração ilegal de árvores nativas. Homens da Força Nacional de Segurança estão em Altamira, perto de Pacajá, para acelerar inquéritos sobre mortes na região. O coordenador nacional da CPT, Dirceu Luiz Fumagalli, diz que a Força Nacional não intimida mandantes de crimes: "Eles sabem que o Estado não tem projeto de se fazer ali presente. Não vão se intimidar. Há impunidade aberta". (Págs. 1 e 3)

Base exige do governo R$ 3,3 bi de emendas

A ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, teve ontem uma reunião de emergência para tentar conter a insatisfação da base aliada na Câmara, que exige a liberação de 50% das emendas parlamentares aprovadas para este ano, o equivalente a R$ 3,3 bilhões. O governo só liberou 5% do valor de todas as emendas parlamentares. No Senado, o descontentamento também é grande. (Págs. 1 e 9)

Cabral: é difícil reajustar 16 mil bombeiros

O governador Sérgio Cabral afirmou ontem que, apesar de estar comprometido com a melhoria salarial dos bombeiros, o número elevado do efetivo (16 mil) dificulta a concessão de aumentos significativos, como os pedidos pelos grevistas. (Págs. 1 e 16)

Só 5% das cidades têm internet pública

Apenas quatro municípios (Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre e Vitória) entre 75 cidades analisadas alcançaram nível médio de desenvolvimento digital. Ou seja, têm cobertura total de internet pública, mas ainda há dificuldades para os menos instruídos. (Págs. 1 e 21)

Fiscalização mais rígida para Oscips

Depois das denúncias de venda de Oscips, sociedades sem fins lucrativos que fazem convênios com o governo federal, o Ministério da Justiça promete tornar mais rígida a fiscalização das entidades. A prestação de contas terá de ser anual. (Págs. 1 e 11)

------------------------------------------------------------------------------------

Folha de S. Paulo

Manchete: PT se opõe a Dilma e defende abrir arquivos

Bancada do partido no Senado quer fim de sigilo eterno a documentos oficiais

A bancada do PT no Senado decidiu ontem defender o projeto que acaba com o sigilo eterno de documentos oficiais classificados como ultrassecretos, contrariando a presidente Dilma Rousseff e a orientação da nova ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti.

Ideli reafirmou a intenção do Planalto: derrubar no Senado a mudança que a Câmara realizou no projeto original, retirando do governo o direito de manter os papéis em segredo para sempre. Pela alteração, fica estabelecido um limite de 50 anos para o sigilo. (Págs. 1 e Poder A4)

O procurador-geral da República indicou que irá ao STF caso o Senado mantenha o sigilo eterno. (Págs. 1 e Poder A6)

Pará registra 5ª morte em zona rural em quase 20 dias

Foi confirmado o quinto assassinato de um trabalhador rural no Pará em menos de 20 dias. Obede Loyola Souza, 31, foi morto com um tiro de espingarda no último dia 9, segundo a Comissão Pastoral da Terra - o corpo foi encontrado no dia 11 e o enterro ocorreu ontem.

A Polícia Civil diz ter identificado um suspeito e afirma que não há indícios de que o crime esteja vinculado a conflito agrário. (Págs. 1 e Poder A12)

Irã colabora com repressão síria, afirma Nobel da Paz

Em entrevista a Folha, a ativista Shirin Ebadi, Nobel da Paz de 2003, acusou o regime do presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad de enviar tropas para ajudar na repressão a atos pró-democracia na Síria. A Embaixada do Irã não se manifestou.

O chanceler brasileiro, Antonio Patriota, negocia para que o Conselho de Segurança da ONU evite texto com brechas para ação militar na Síria. (Págs. 1 e Mundo A16 e A18)

Casa da Moeda faz recall de passaportes com defeito

A Casa da Moeda produziu 11.601 passaportes com erros nos chips de identificação dos usuários. Os documentos com problemas foram feitos de 2 de março a 6 de abril - no período, houve a emissão de 170 mil.
Aproximadamente 5.000 já foram trocados. Vai haver recall para os demais. A Casa da Moeda disse que corrigiu a falha e que arcará com o custo da operação - a Polícia Federal vai participar de força-tarefa. (Págs. 1 e Cotidiano C1)

Agência autoriza injeção de botox contra enxaqueca

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprovou o uso de injeções de botox para tratar a enxaqueca crônica. O Brasil é o terceiro país a autorizar o uso do produto para esse fim. Os outros são os EUA e a Inglaterra.

Além do uso estético, a toxina botulínica tipo A atua contra estrabismo e sequelas de derrames. (Págs. 1 e Saúde C12)

Cai restrição para adolescentes e gays doarem sangue

Com autorização dos responsáveis, jovens de 16 e 17 anos poderão doar sangue. A restrição a menores existia devido a questões biométricas, como o peso menor.

O governo determinou que a orientação sexual não defina doadores. Mas persiste o veto a homem que fez sexo com homem nos últimos 12 meses. (Págs. 1 e Cotidiano C9)

Teles acusam Globo de tentar barrá-las em disputa por TV (Págs. 1 e Mercado B1 e B4)

Editoriais

Leia "A sete chaves", que critica o sigilo eterno sobre documentos oficiais no Brasil, e "Não a Berlusconi", que comenta a situação política na Itália. (Págs. 1 e Opinião A2)

------------------------------------------------------------------------------------

O Estado de S. Paulo

Manchete: Dilma corteja Congresso com "balcão de negócios"

Para se aproximar dos parlamentares, presidente retoma nomeações e acena com liberação de emendas

Na tentativa de se aproximar do Congresso, a presidente Dilma Rousseff ativou seu rádio de negócios", que inclui distribuir cargos, cortejar líderes partidários e liberar emendas parlamentares. O objetivo é facilitar a aprovação de projetos como a criação de regime diferenciado de licitação para as obras da Copa e da Olimpíada. Dilma prometeu bem mais do que as nomeações, que foram retomadas na semana passada. Ela instruiu as ministras Ideli Salvatti (Relações Institucionais) e Gleisi Hoffmann (Casa Civil) a receber parlamentares sempre que houver pedido de audiência, a responder a telefonemas e a manter as portas abertas para todos. (Págs. 1 e Nacional A4)

Servidores coletam nomes para partido de Kassab

Funcionários da Prefeitura de São Paulo estão recolhendo assinaturas de eleitores para a criação do Partido Social Democrático (PSD), nova sigla do prefeito Gilberto Kassab. O Estado teve acesso a e-mail enviado a amigos por uma assessora de uma subprefeitura: "Meu chefe-mor passou uma missão. Kassab fundou um partido e precisa do maior número de pessoas que aceitem essa fundação". A Prefeitura nega ter feita o pedido. (Págs. 1 e Nacional A8)

Sarney rejeita "WikiLeaks da História"

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), que defende sigilo eterno para documentos ultrassecretos, sugeriu que alguns podem causar atritos com vizinhos. "Não podemos fazer o WikiLeaks da História do Brasil." A decisão do governo de trabalhar para manter o sigilo eterno - revelada pelo Estado na segunda - foi classificada de "grande equívoco" pelo ex-ministro Paulo Vannuchi (Direitos Humanos). (Págs. 1 e Nacional A8)

Alckmin anuncia obras de R$ 6,3 bi no ABC (Págs. 1 e Cidades C1)

Comitê Olímpico investiga Havelange (Págs. 1 e Esportes E2)

Pará tem 5º assassinato em assentamento (Págs. 1 e Nacional A9)

Brasileiros verão a Lua nascer eclipsada hoje (Págs. 1 e Vida A19)

Marco Antonio Villa

Fantasia e realidade

O início de Dilma Rousseff dava a entender que teríamos um governo novo, mas ela ainda não conseguiu apresentar ao País o que pretende fazer. (Págs. 1 e Espaço Aberto A2)

Notas & Informações

Respeito à História

A mensagem de Dilma a FHC tem o efeito de uma suave aragem sobre a cena política brasileira. (Págs. 1 e A3)

------------------------------------------------------------------------------------

Correio Braziliense

Manchete: Condenados fazem reféns por seis horas na cidade onde falta PM

Um homem em liberdade condicional e outro foragido do saidão sequestram quatro mulheres na 711 Sul. GDF admite não ter policiais suficientes para proteger os brasilienses

Armados, drogados e violentos, Bruno Leonardo Vieira da Cruz, 28 anos, e Adelino de Souza Porto, 54, invadiram a casa por volta das 9h30, quando uma freira chegava ao local para uma visita. Além da religiosa, eles renderam a dona da casa e duas filhas, uma delas grávida de seis semanas. Avisada pela empregada, que conseguiu fugir, a Polícia Militar chegou logo depois. Após tensa negociação, somente às 15h46 os bandidos, que libertaram aos poucos as reféns, se entregaram. Ninguém ficou ferido. O secretário de Segurança Pública, Sandro Avelar, e o próprio comando da PM reconheceram um deficit de policiais para fazer a segurança ostensiva no DF. Segundo Avelar, faltam pelo menos 4 mil homens. De janeiro a abril, somente a 711 Sul registrou 15 ocorrências de roubos e furtos. (Págs. 1, 19 a 22 e Visão do Correio, 12)

Bombeiros criam exército da intimidação

Chamado pelos distritais a dar explicações sobre cortes em programas sociais, comandante levou 500 militares ao plenário da Câmara. (Págs. 1 e 24)

Aliados já pressionam Ideli Salvatti

No primeiro dia de trabalho, ministra de Relações Institucionais recebe lista com exigências dos parlamentares. (Págs. 1 e 2)

Sangue

Governo determina que a orientação sexual não pode mais ser usada como critério na triagem dos doadores. (Págs. 1 e 7)

Domésticas com todos os direitos

OIT estende à categoria os benefícios dos demais trabalhadores. No Brasil, Justiça nega vínculo empregatício a diarista. (Págs. 1 e 9)

Desrespeito nos planos de saúde (Págs. 1 e 11)

------------------------------------------------------------------------------------

Valor Econômico

Manchete: Grupo combaterá dumping e importações fraudulentas

O governo federal vai criar até o fim do mês um grupo de inteligência antidumping que terá por alvos preferenciais as importações suspeitas de preços fraudulentos e de adulteração de origem. Integrado por representantes do Ministério do Desenvolvimento e da Receita Federal, o grupo também atuará com o suporte de informações aos diferentes órgãos federais ligados ao comércio exterior, como Ministério da Agricultura, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e Inmetro. A proposta é criar uma plataforma de dados para auxiliar o Ministério do Desenvolvimento e a Receita na identificação e combate às importações suspeitas de dumping.

O grupo também terá por atribuição auxiliar os setores mais expostos à concorrência externa a apresentar ao governo pedidos consistentes de abertura de investigação para adoção de medidas antidumping. Em outra frente, atuará para fazer com que o governo acelere a abertura e a conclusão de investigações sobre casos de circunvenção - operações que tentam contornar barreiras antidumping por meio da adulteração do país de origem das mercadorias. (Págs. 1 e A3)

"Nova" Burger King prevê abrir 900 lojas em 5 anos

A rede americana de lanchonetes Burger King, controlada pela 3G, dos empresários brasileiros Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira, tem planos de abrir 900 lojas nos próximos cinco anos no Brasil, com investimentos entre R$ 600 milhões e R$ 900 milhões. A estratégia agressiva de expansão é o fio condutor da associação fechada ontem entre a gestora de recursos Vinci Partners e a Burger King Corporation para criar uma joint venture no país que funcionará como master franqueada e também terá lojas próprias.

O investimento será feito pela nova empresa e, também, pelos atuais franqueados no país. A Vinci será a controladora da joint venture e a Burger King Corporation ficará com participação minoritária. Os aportes serão feitos de acordo com o ritmo de abertura das lojas. (Págs. 1 e B6)

Peru cassa concessão de hidrelétrica da OAS

O governo do Peru cancelou a concessão temporária que a Eletrobras e a construtora OAS tinham para trabalhar no projeto de construção da hidrelétrica de Inambari, a maior do país, orçada em US$ 4,9 bilhões. Criticado por comunidades indígenas, o projeto só será retomado depois de um processo de consulta a essas populações.

A obra, na Amazônia peruana, é peça-chave no plano de internacionalização da Eletrobras. O presidente do projeto Inambari, o engenheiro Evandro Miguel, da OAS, disse que o consórcio - chamado de Egasur - já investiu US$ 22 milhões nos estudos de viabilidade técnica e econômica. O consórcio é uma associação da OAS (51%) com a Eletrobrás (29,4%) e sua subsidiária Furnas (19,6%). O Valor apurou que o processo de licitação vai "recomeçar do zero", com abertura a qualquer empresa interessada. (Págs. 1 e A11)

Ical, fábrica de cal, chega ao Nordeste

Discreta como o restante de sua família, os Pentagna Guimarães, com forte presença no mundo dos negócios mineiro, a empresária Ignez da Gama Guimarães revelou ao Valor os projetos de expansão da fabricante de cal Ical, que comanda desde 2004. O projeto mais imediato deve ser formalizado até o fim do mês e significa a chegada do grupo ao Nordeste, com a construção de uma fábrica em Baraúna (RN), com investimento de R$ 200 milhões.

Com isso, a capacidade de produção da Ical passará a 2,1 milhões de toneladas anuais, o que corresponderia hoje a cerca de 30% do mercado brasileiro de cal, disse Ignez, em sua primeira entrevista desde que assumiu o comando da companhia. Mas a empresária pretende agregar mais 1,5 milhão de toneladas anuais nos próximos três anos, ampliando suas unidades atuais e comprando outras fábricas. Os investimentos poderão chegar a R$ 400 milhões. (Págs. 1 e B1)

Plano de safra dá destaque ao investimento

O plano de safra 2011/12, que será anunciado pela presidente Dilma Rousseff na sexta-feira, elevará a aposta do governo na modernização da produção agropecuária por meio de financiamentos aos investimentos no campo. A ideia é aproveitar a fase de ganhos no setor rural para aparelhar os produtores com novas máquinas, equipamentos e processos. Em volume, a principal meta é aumentar a produção de grãos, fibras e cereais de 161,5 milhões para 169,5 milhões de toneladas em 2012.

A presidente Dilma anunciará um significativo aumento de 14% no volume de recursos para investimento agropecuário. Serão R$ 20,5 bilhões, boa parte emprestados com juros subsidiados pelo Tesouro Nacional - de 5% a 9,5%. O plano do governo oferecerá R$ 107,2 bilhões à agricultura empresarial e elevará a 60% do total o volume de recursos a juros subsidiados.

O plano de safra 2011/12, que será anunciado pela presidente Dilma Rousseff na sexta-feira, elevará a aposta do governo na modernização da produção agropecuária por meio de financiamentos aos investimentos no campo. A ideia é aproveitar a fase de ganhos no setor rural para aparelhar os produtores com novas máquinas, equipamentos e processos. Em volume, a principal meta é aumentar a produção de grãos, fibras e cereais de 161,5 milhões para 169,5 milhões de toneladas em 2012.

A presidente Dilma anunciará um significativo aumento de 14% no volume de recursos para investimento agropecuário. Serão R$ 20,5 bilhões, boa parte emprestados com juros subsidiados pelo Tesouro Nacional - de 5% a 9,5%. O plano do governo oferecerá R$ 107,2 bilhões à agricultura empresarial e elevará a 60% do total o volume de recursos a juros subsidiados. (Págs, 1 e B14)

A bolha das reservas deve estourar entre 2013 e 2015

A inflação de 2012 deverá ficar abaixo de 5%, com a economia crescendo entre 4% a 4,5%. Será, porém, uma vitória de Pirro. Em algum momento ocorrerá uma inevitável correção para cima na cotação do dólar, com grande probabilidade de uma traumática "parada súbita".

O Brasil não acumula reservas porque produz superávit nas transações com o exterior. A acumulação resulta do ingresso de capital, sendo só 20% em investimento direto. Temos, então, um paraíso para o especulador estrangeiro, que se beneficia do diferencial nas taxas de juros. Esse movimento adquire todas as características de uma bolha especulativa. E bolhas sempre evoluem para o colapso. Nosso palpite é que a bolha de acumulação de reservas deva estourar em algum momento entre 2013 e 2015, com uma forte e rápida depreciação do real e possível perda de grande volume das reservas. O controle amplo de capitais pode simplesmente antecipar o momento de ruptura da bolha. Uma das poucas coisas que o governo pode fazer agora, diante dessa perspectiva inevitável, é preparar planos de contingência para o amortecimento da desvalorização. (Págs. 1 e Este é o segundo artigo da série sobre câmbio, juros e inflação escritos a pedido do 'Valor'.)

Claro desacelera enquanto prepara integração com a Embratel (Págs. 1 e B3)

EMC investe no Rio

A americana EMC vai investir US$100 milhões em um centro de pesquisas no Rio, o primeira na América Latina, no Parque Tecnológico do campus da UFRJ. O foco inicial será o setor de petróleo. (Págs. 1 e B2)

Motores emergentes da mídia

Nos próximos cinco anos, Brasil e China serão os mercados com maior crescimento na área de entretenimento e mídia no mundo, segundo pesquisa da consultoria PwC. (Págs. 1 e B3)

Foco verde-amarelo

Convidadas especiais da feira de moda de Florença, grifes brasileiras "esnobam" o mercado europeu, ainda combalido pela crise. "Estamos bombando no Brasil. Vamos usar o evento apenas para construir a imagem da marca no exterior", diz Vanessa Montoro. (Págs. 1 e B5)

MPX negocia usinas do Bertin

A MPX Energia deve anunciar nos próximos dias a compra de duas a quatro usinas termelétricas que pertencem ao grupo Bertin e que estão com o cronograma de obras atrasado. As unidades devem entrar em operação em 2013. (Págs. 1 e B7)

Brasilit aumenta produção

A Brasilit controlada pela francesa Saint-Gobain, vai investir R$ 160 milhões para aumentar sua capacidade de produção em 40% até 2016. Os recursos serão destinados a construção de duas novas fábricas e ampliação das unidades atuais. (Págs. 1 e B8)

'Nacionalização" do resseguro

Grandes grupos seguradores internacionais reagem às restrições impostas pelo Conselho Nacional de Seguros Privados e trazem mais capital para o Brasil. Ontem, a suíça Zurich anunciou que vai abrir resseguradora com aporte de R$ 100 milhões. (Págs. 1 e C12)

"Absolvição" do Conselhinho

Estudo da FGV contraria o senso comum e mostra que, no período 2004/9, o Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional ("Conselhinho") reformou apenas 22% das decisões proferidas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). (Págs. 1 e D1)

Ideias

Cristiano Romero
Ao privilegiar aumento da arrecadação em vez de corte de gastos, a política fiscal não ajudará no esforço anti-inflacionário. (Págs. 1 e A2)

Ideias

Gustavo Loyola
Ainda estamos diante de um arrefecimento pontual e temporário das pressões inflacionárias. (Págs. 1 e A11)

------------------------------------------------------------------------------------

Estado de Minas

Manchete: Devo, não nego. Só pago quando (se) puder

As dívidas estão crescendo mais do que a capacidade dos consumidores de honrá-las. Dados da Serasa mostram que em maio a taxa de inadimplência no país subiu 8,2% em relação ao mês anterior. Foi a maior variação desde março do ano passado. Em comparação com maio de 2010, o aumento do calote atingiu 21,7%. Especialistas apontam o encarecimento do crédito, com alta de juros e redução dos prazos de pagamento, como o vilão do fenômeno, que preocupa famílias, comércio e a economia como um todo. (Págs. 1, 13 e o editorial 'Prestação atrasada', na 10)

Base cobra de Ideli R$ 2 bi em emendas

Líderes dos partidos do bloco governista apresentaram à ministra a fatura pelo apoio ao governo, cobrando a liberação das verbas até 15 de julho. Também querem rapidez na nomeação dos cargos do segundo escalão, 75% dos quais em aberto. (Págs. 1 e 3)

Pressão faz deputados dispensarem privilégio

A repercussão negativado recebimento de auxílio-moradia, no valor de quatro salários mínimos, para parlamentares estaduais que têm casa em BH levou sete deles a abrir mão do benefício. A última a tomar a iniciativa é Luzia Ferreira (PPS). (Págs. 1 e 6)

Reajuste de 94% dos pisos supera inflação

Crescimento econômico, expansão do mercado de trabalho e queda de desemprego geraram aumento real de até 6% acima do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) em metade dos pisos no ano passado. (Págs. 1 e 14)

BH é cidade mais digital do Brasil

Infraestrutura tecnológica, disponibilidade de serviços digitais e acessibilidade põem capital mineira na liderança de ranking elaborado por empresas especializadas em tecnologia. (Págs. 1 e 15)

Foto legenda: Sangue

Governo amplia faixa etária para doação, que passa a ser de 16 a 67 anos. Gabriela doa pelo menos duas vezes por ano. (Págs. 1 e 23)

Terror em Brasília

Ladrões mantêm 4 mulheres como reféns mais de 6 horas (Págs. 1 e 9)

------------------------------------------------------------------------------------

Jornal do Commercio

Manchete: Grande Recife sem ônibus por 24 horas

Em assembleia realizada ontem, motoristas e cobradores de coletivo aprovaram greve de advertência por todo o dia de hoje. Eles pedem reajuste de 22% e empresas oferecem 5%. Sindicato avisa que não será garantida a circulação de 30% da frota. (Pág. 1)

Emoção e alívio no final do júri do Caso Alcides (Pág. 1)

Mais um crime no Norte em conflito agrário (Pág. 1)

Feras que fizeram o Enem em 2010 já podem se inscrever no Sisu (Pág. 1)

------------------------------------------------------------------------------------

Zero Hora

Manchete: Internet tira até duas horas de sono dos jovens por dia

Pesquisa inédita, a ser apresentada em congresso que se inicia hoje em Gramado, mostra que adolescentes necessitam dormir nove horas por noite em média. (Págs. 1 e 26)

Controvérsia: Na dúvida, vacine-se todo ano

Especialistas divergem sobre tempo de validade da vacina contra a gripe A. (Págs. 1 e 27)

Hora extra: O que deve mudar para domésticas e patrões

Acordo mundial, apoiado pelo Brasil, equipara os trabalhadores domésticos a outras categorias profissionais. (Págs. 1 e 14)

Polêmica: Projeto prevê internação involuntária de viciados

Proposta permite que médicos, além da Justiça, determinem tratamento compulsório. (Págs. 1 e 30)

No alvo do Leão: 500 declarações fraudadas no RS

Homem que fazia declarações de renda para pessoas físicas teve dados apreendidos. (Págs. 1 e 31)

------------------------------------------------------------------------------------

Brasil Econômico

Manchete: Caso BR Foods pode apressar a votação do projeto do Super Cade

Julgamento sobre fusão de Sadia e Perdigão, reprovado na semana passada, reabriu discussão sobre projeto de lei no Congresso

O principal ponto do projeto de lei, que pode ser votado ainda nesta semana, é exatamente a determinação de que grandes negócios sejam analisados com antecedência pelo Cade, e não posteriormente, como ocorre agora. Isso evitaria, por exemplo, situações como a possibilidade de a união entre Sadia e Perdigão ser desfeita dois anos depois de anunciada. Hoje o Cade tem uma nova sessão para determinar os rumos da negociação que criou a BR Foods. (Págs. 1 e P4)

BRFoods ainda tenta negociação para evitar fim da fusão. (Pág. 1)

ONG critica sigilo eterno de documento oficial

Cecília Coimbra, presidente da organização Tortura Nunca Mais, diz que decisão de Dilma é um retrocesso. (Págs. 1 e P16)

Foto legenda: São Martinho vai às compras para moer 30 milhões de toneladas de cana

Depois da parceria com a Petrobras, grupo avalia oportunidades de mercado para garantir meta fixada para 2020 e vai buscar crescimento em ativos similares, em São Paulo, diz o presidente Fábio Venturelli. (Págs. 1 e P22)

Louis Dreyfus, trading e processadora de commodities francesa, adquire a produtora e distribuidora Macrofértil como parte da estratégia para deter entre 10% e 12% do mercado de fertilizantes até2015. (Págs. 1 e P26)

São Paulo não tem carros para fazer inspeção sanitária

Técnicos da Coordenação de Vigilância de Saúde atrasam emissão de licenças por não ter como ir às empresas. (Págs. 1 e P12)

Serviço pesa mais que tarifa para cliente de banco

Atenção no atendimento pode ser trunfo maior para fidelizar correntista do que tarifa mais baixa, diz CPM Braxis. (Págs. 1 e P36)

Importações brasileiras de bens de consumo sobem 32% em 5 meses

No total, as importações cresceram 28,2% de janeiro a maio. Com o real valorizado em relação ao dólar, as empresas deram preferência ao produto pronto, importado, em detrimento da compra de insumos para a produção local. (Págs. 1 e P10)

Seguro pessoal cresce 26% com maior renda

No primeiro trimestre, seguros de vida, acidente pessoal, proteção financeira, educacional e de viagem movimentaram R$ 4,6 bilhões em receita. Com aumento de renda, o brasileiro busca novas apólices. (Págs. 1 e P38)

Ozires Silva, um dos fundadores da Embraer, defende a criação de um plano estratégico para sanar o déficit educacional e melhorar o ensino (Págs. 1 e P14)

Motivada pelo mercado favorável, De'Longhi planeja expandir sua presença no país com fabricação local em parceria com terceiros (Págs. 1 e P32)

Fonte: Radiobrás

Um comentário:

  1. Por que o ato dos bombeiros cria um precedente perigoso

    Os bombeiros assim como qualquer categoria têm o direito de pedir melhoria salarial, ocorre que por servirem junto com a PM, sob regime militar, lhes é vetado o direto à greve. Nos últimos dias o que tenho visto no Rio é um circo. Uma categoria que vem sendo “doutrinada” por políticos faz meses, chega ao ponto de rasgar sua lei militar, invadir um quartel, ocupar e inutilizar viaturas.
    Ora, isso é inadmissível em um estado de direito. Imaginemos se médicos decidem fazer greve, invadir hospitais, furar pneu das ambulâncias e trancar as portas; E se um dia policiais em greve ocuparem os presídios e ameaçarem soltar os presos? Não obstante, teríamos ainda a possibilidade de Soldados do exército em greve, colocarem tanques para obstruir vias. Pergunto: Onde a sociedade vai parar? É esse o precedente que a sociedade deseja abrir com os bombeiros?
    Para que não corramos esse risco há uma legislação militar que rege as FFA, Bombeiros e a PM. Independente de qualquer pleito salarial, ela tem de ser respeitada. No momento em que a sociedade permitir que essa lei seja ignorada, estará pondo em risco sua própria ordem.

    ResponderExcluir